Loading...

terça-feira, 15 de dezembro de 2009


SIERRA E O EXTERMINADOR DO FUTURO

"Sierra" não resistiu ao ver o exterminador do futuro e foi fazer aquilo que a elite brasileira sempre gostou de fazer diante das grandes potências: puxar o saco!!!!
Para isso teve que engolir seco ao ser chamado de "Sierra" pelo amigo!

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

MPF vai requerer informações sobre contratos entre a Globo, RBS e afiliadas no interior do RS

11/dezembro/2009 19:01

MPF faz umas perguntinhas à Globo

MPF faz umas perguntinhas à Globo

O Conversa Afiada transcreve notícia do Ministerio Público Federal.

Que monopolio é esse?

Como é que a Globo divide o dinheiro com as afiliadas ? É uma camisa de força ?

Ué, alguma coisa mudou, não é Ministro Héio Costa ?

2009-12-11 16:27:50
MPF vai requerer informações sobre contratos entre a Globo, RBS e afiliadas no interior do RS

A Procuradoria da República no Município de Canoas vai solicitar à Junta Comercial do Rio Grande do Sul para que forneça todos os contratos sociais dos 12 CNPJs que compõem o grupo Rede Brasil Sul de Comunicação (RBS) no Estado. A decisão foi tomada durante audiência pública que discutiu possível monopólio da RBS e irregularidades nas concessões de rádio e televisão no Rio Grande do Sul.

O coordenador da audiência pública e procurador da República em Canoas Pedro Antônio Roso informou ainda que será requisitado ao Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) que informe em nome de quem está registrada a marca RBS. Também será questionado à Rede Globo, RBS Porto Alegre, Caxias do Sul e as outras 10 afiliadas, qual percentual da arrecadação total que vai para a Globo, quanto fica com a RBS de Porto Alegre e quanto obtém a RBS do interior do Rio Grande do Sul.

À Rede Globo e RBS igualmente será requisitado cópias dos contratos entre as mesmas. Finalmente o Ministério Público Federal (MPF) vai recomendar ao Ministério das Telecomunicações para que abra procedimento a fim de verificar a existência de monopólio de fato por parte da RBS.

Durante todo encontro, representantes do movimento social, entre os quais o próprio CONRAD, autor do pedido de providências que resultou na audiência pública, defenderam a existência do monopólio na área de comunicação, alegando, inclusive, que o Ministério das Comunicações dificulta a análise de concessão para funcionamento das rádios comunitárias. O Ministério negou tal afirmativa justificando que existem outros concorrentes ao grupo no Estado e que o Decreto-lei 236/67, em seu artigo 12, limita em duas concessões no máximo por proprietário dentro de um Estado. A RBS explicou que possui apenas duas emissoras de televisão, Porto Alegre e Caxias. As demais seriam outras empr esas, inclusive com CNPJ diferente e que estaria cumprindo a legislação, pois alega ser proprietária apenas das duas emissoras.

Outros encaminhamentos foram tomados durante a audiência pública, entre os quais que será enviado ofício ao Conselho Nacional de Valores Imobiliários (CNVI) para saber porque a publicação de uma ata da RBS/Zero Hora Editora Jornalística S/A, realizada em 10 de dezembro de 2007, só ocorreu no dia 30 de outubro de 2009, ou seja, quase dois anos depois.

Será recomendado também ao Ministério das Comunicações que abra procedimento a fim de verificar a existência de monopólio de fato por parte da RBS. O procurador da República pediu a opinião de todos quanto ao ingresso de ação judicial nesse momento, mas a maioria opinou por esperar a resposta das requisições e marcar outra audiência para novo debate do tema. Ficou definido ainda envio de ofício ao Ministério das Comunicações para pedir esclarecimentos quanto as outras quatro delegacias previstas em decreto de 2004, que previu a instalação de 11 delegacias regionais do Ministério das Telecomunicações.

Estiveram compondo a mesa Alvaro Augusto de Souza Neto, coordenador de renovação e revisão de outorga do Ministério das Comunicações; Sidnei Ochaman, gerente substituto da Anatel; Marcos Augusto do Nascimento Ferreira, representante da AGU; Cláudio Hiran Alves Duarte, representante da Conrad; Fernanda Caldas Gutheil, representante da RBS. Participações, Dagmar Camargo, representante da Conrad; Oscar Plentz, diretor da TV Comunitária de Porto Alegre.

O representante da ONG Coletivo Catarse informou que toda a audiência pública foi transmitida no site www.coletivocatarse.com.br ao vivo, e que a gravação pode ser requerida junto a esse site. A Assessoria de Comunicação da Procuradoria da R epública no Rio Grande do Sul também pode providenciar a gravação aos interessados. Segundo o procurador Pedro Antonio Roso uma nova audiência será marcada para continuar debatendo o tema

http://www.paulohenriqueamorim.com.br/?p=24098
11 de Dezembro de 2009 - 17h12

Presidente do Uruguai critica direita contrária ao Mercosul

O presidente do Uruguai, José Pepe Mujica, sai em defesa do Mercosul numa entrevista exclusiva à Agência Senado. Para os senadores brasileiros que votarão na próxima terça (15) o projeto de adesão da Venezuela ao bloco, Mujica não manda um recado direto, mas diz que prefere respeitar cada um dos países. Ele critica a direita no seu país que é contra a integração do bloco econômico. Críticos do presidente Hugo Chaves, senadores do DEM e PSDB votarão contra o ingresso da Venezuela no Mercosul.

A seguir, os principais pontos da entrevista, que estará no programa Diplomacia da TV Senado às 11h30 de sábado (12), com repetição às 22h30 do mesmo dia e às 9h e 17h de domingo (13).

Como o senhor define a diferença entre antigo guerrilheiro e o novo presidente do Uruguai?

Quatro décadas são muito tempo, muitas coisas aconteceram no mundo, na América. Há quarenta anos, queríamos consertar o mundo. Agora, tentamos melhorar o caminho da nossa casa. Somos mais humildes, mais modestos. O mundo continua esperando.

Como vê as diferenças entre a esquerda representada pelos presidentes do Brasil e do Chile, Luiz Inácio Lula da Silva e Michelle Bachelet, e da Venezuela, Hugo Chávez?

Eu acho que o verdadeiro julgamento se dá a partir de resultados, não com as declarações ou com as medidas. Se favorece as pessoas mais humildes, se contribui para elevar o fundo da sociedade, será de esquerda. Se não consegue isso, será uma boa intenção, mas a esquerda falhou. Porque a esquerda é solidariedade, é lembrar dos mais fracos. Pode haver caminhos e métodos distintos. A verdade é que, no mundo em que estamos, se constroem estereótipos. Por exemplo, no meu caso, de guerrilheiro. Nós não fomos guerrilheiros, éramos políticos com armas. É diferente. Por isso, prefiro respeitar cada um dos países, que têm seus caminhos, seus modelos. O Caribe é diferente, a América Central e o rio da Prata são diferentes. No Uruguai, a vida humana vale muito, no Caribe vale menos.

O Uruguai assume uma postura a favor da integração, após as eleições?

Nós somos um país agrícola pequeno, que está em um lugar importante, porque é a entrada da boca de um sistema de grandes rios. Temos que ser um país ponte. Necessitamos da integração regional, mas a região tem fragilidades porque tem Estados importantes, como o Brasil e a Argentina, que têm muitos problemas internos para resolver. Não são Alemanha e França. Há direitas aqui que não querem o Mercosul, não querem a integração. Queriam que este país fosse em direção ao livre mercado, para viver do comércio e se tornar um grande centro financeiro. Um país muito liberal, muito aberto, que servisse de trampolim para vender aos vizinhos. Entendemos que esse é um projeto muito perigoso, porque os vizinhos teriam de se defender.

E de que forma pode se aprofundar a integração?

Temos que investir muito mais na inteligência. Parece que as universidades não contam no Mercosul. Se não unirmos a inteligência, nunca vamos nos unir. Também a infraestrutura, a energia, as comunicações. O Mercosul tem sido excessivamente mercantilista. Apenas pelo comércio não nos integraremos. Precisamos de outras coisas: pesquisa, ciência, cultura. Aqui se forma um engenheiro que vai trabalhar nos Estados Unidos ou na Espanha, mas não pode trabalhar no Brasil. Os brasileiros não podem trabalhar aqui. Estamos loucos!

O mesmo se aplica à infraestrutura?

No Uruguai há uma área no departamento de Rocha que, há 50 anos, dizem ser indicada para se fazer um porto de águas profundas. Este porto deveria ser do Mercosul, propriedade de todos os governos, para ser utilizado por todas as economias. A esta altura temos que pensar muito adiante, ainda estamos com uma mentalidade muito limitada ao espaço nacional. E fazer negócios com coisas complementares. Nós não vamos fazer uma indústria automobilística. Para quê? Não tem sentido. Mas podemos fazer algo para a indústria brasileira.

O Uruguai é o primeiro país da América do Sul a garantir computadores portáteis para todas as crianças nas escolas. O país pretende investir na economia do conhecimento?

Sim, nossa luta é para nos transformarmos em um pequeno país com muita inteligência. Nós sonhamos que, dentro de vinte anos, todos os jovens tenham formação universitária. O Uruguai não só tem computadores para as crianças, é o primeiro país do mundo que tem todas suas vacas rastreadas eletronicamente, com chips. Temos um registro das vacas mais perfeito que o das pessoas. Temos que desenvolver inteligência aí, nesse setor, e vender esse conhecimento para o Brasil. Quem vai encher os navios de carne será o Brasil. Nós temos que vender a indústria veterinária, produtos, inteligência. E ser úteis ao desenvolvimento do Brasil. Não competir, mas sermos complementares. Fazer algo parecido com o que fazem a Finlândia e a Dinamarca na Europa. São países pequenos, mas que tiram partido do tamanho de seus vizinhos. Vendem inteligência. Por isso nos interessa o Mercosul.

Como o Parlamento do Mercosul pode ajudar o processo de integração?

Acho que ajuda no campo das ideias e dos costumes. Nós vamos ter como vice-chanceler o ex-presidente do Parlasul, Roberto Conde, por isso mesmo. O contato entre os parlamentares, ainda que não tenha uma decisão direta, ajuda a conformar um clima de negociação e de aproximação entre os Estados. Para nós é favorável.

Da Sucursal de Brasília com Agência Senado

sábado, 28 de novembro de 2009

http://colunistas.ig.com.br/luisnassif/

28/11/2009 - 09:28

O testemunho de SL, citado por Benjamin

Por Cecilia

Do Terra Magazine

Tendler: “Só um débil mental não viu que era piada do Lula”

Bob Fernandes

César Benjamin, 55 anos, é ex-preso político e um dos fundadores do PT. Na sexta-feira, 27, Benjamin escreveu um artigo na Folha de S. Paulo e acusou o hoje presidente Lula de ter revelado, em 1994, uma tentativa de estupro dele, Lula, contra um “menino do MEP”. Tentativa que teria acontecido em 1980, quando o então líder sindical Lula esteve preso por 30 dias, e na mesma prisão, com o jovem da organização de esquerda que já não existe, o MEP. César Benjamin cita, em seu texto, uma testemunha, “um publicitário brasileiro que trabalhava conosco cujo nome também esqueci”.

O “publicitário” é o cineasta Silvio Tendler, que em 1994 trabalhou na campanha de Lula à presidência da República. De início, afirma Tendler:

- Ele diz não se lembrar de quem era o “publicitário”, mas sabe muito bem que sou eu. Eu estava lá e vou contar essa história…

Sobre os fatos e a acusação, gravíssima, o cineasta, o documentarista Silvio Tendler conta o que viu e o que recorda daquele almoço em meio à campanha presidencial de 1994:

- Era óbvio para todos que ouvimos a história, às gargalhadas, que aquilo era uma das muitas brincadeiras do Lula, nada mais que isso, uma brincadeira. Todos os dias o Lula sacaneava alguém, contava piadas, inventava histórias. A vítima naquele dia era um marqueteiro americano. O Lula inventou aquela história, uma brincadeira, para chocar o cara…só um débil mental, um cara rancoroso e ressentido como o Benjamin, guardaria dessa forma dramática e embalada em rancor, durante 15 anos, uma piada, uma evidente brincadeira…

http://www.paulohenriqueamorim.com.br/?p=23229

Polícia Federal estoura mensalão dos demos. O que dirá o Heráclito? O Agripino? O Rodrigo? O Kassab?

27/novembro/2009 18:35

Até tu, governador José Roberto Arruda?

Até tu, governador José Roberto Arruda?

Por sugesão do amigo navegante William, veja o que saiu no Correioweb:

PF investiga suposta distribuição de recursos ilegais à base aliada do GDF

A Polícia Federal investiga a suposta distribuiç

ão de recursos ilegais à base aliada do Governo do Distrito Federal. As investigações tiveram o apoio do secretário de Relações Institucionais do GDF e ex-delegado da Policia Civil, Durval Barbosa, que aceitou colaborar em troca de uma punição mais branda em outro caso de corrupção, revelado pela Operação Megabyte, ainda na gestão de Joaquim Roriz. Barbosa está envolvido, ainda, em outros escândalos, como o suposto desvio de recursos públicos do Instituto Candango de Solidariedade (ICS).

Segundo despacho do Superior Tribunal de Justiça (STJ),

o ex-secretário aceitou que fossem instalados em suas roupas equipamentos de escuta ambiental. Em função disso, foi aberta a ele a participação no programa de proteção de testemunhas da Polícia Federal.

De acordo com o STJ, uma quantia de R$ 400 mil teria sido entregue pelo governador José Roberto Arruda para Barbosa, em 21 de outubro de 2008, a fim de que fosse repassada ao chefe da Casa Civil do GDF, José Geraldo Maciel. De lá, ainda de acordo com o despacho, o dinheiro “seria dissipado em diversos pagamentos menores a pessoas ainda não identificadas”. Outros R$ 200 mil teriam o mesmo destino.

____________________________________________________________________

Paulo Henrique Amorim é jornalista desde quando os bichos falavam. Trabalhou na Manchete, Abril, Jornal do Brasil, Globo, Bandeirantes, Cultura, está na Record; foi do Zaz, Terra, UOL, iG e hoje é responsável por este portal independente, localizado em algum ponto da WEB 2.0. Escreveu o livro "Plim-Plim - A Peleja de Brizola contra a Fraude Eleitoral". Formado em Sociologia e Política, não se utilizou nem de uma nem de outra “ciência” para ganhar a vida. Carioca, pai de uma filha, tem um neto maravilhoso, o Francisco, é Fluminense e torce pelo Salgueiro. As idéias que ele expõe aqui são de sua EXCLUSIVA responsabilidade ! (E espera que o Francisco venha a se orgulhar delas...)

http://www.ujs.org.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=473:queda-do-muro-toda-a-crise-e-tambem-uma-oportunidade&catid=49:colunistas



Queda do Muro: toda a crise é também uma oportunidade PDF Imprimir E-mail
Qui, 26/11/09 13h30
O início do século XXI é marcado pela inauguração de um próspero período de mudanças Completaram-se 20 anos da queda do muro de Berlim. Diante disso o que é possível ver na mídia internacional é uma suposta onda de comemorações que tomou conta da Alemanha e de todo o mundo. Segundo os grandes veículos de comunicação internacional é uma celebração da paz e da liberdade. Uma importante vitória contra a “ditadura comunista”.

Em 09 de novembro de 1989, caía o muro de Berlim. Esta seria uma marca da derrota do projeto socialista implementado no século XX. Isso possibilitou uma ofensiva do capitalismo internacional transformando a geopolítica, que se pautava pela bipolaridade, em unipolar sob hegemonia dos EUA. Ainda mais, essa ofensiva se deu também no campo das idéias onde se desconstruiu toda e qualquer alternativa coletiva para superar os problemas da Humanidade. Assim a saída para os problemas do mundo se daria pela ação individual de cada um, com erro de português proposital, e não mais pelas organizações coletivas. Ao mesmo tempo inaugurou-se, no campo das idéias, uma ofensiva contra a participação política. Dessa forma o progresso da sociedade não se daria mais pela luta pelo poder, mas, sim, pelas lutas específicas/pontuais, uma vez que não haveria mais alternativa ao capitalismo e a luta de classes não existiria mais. Entretanto, o pensamento pós-moderno serviu, na prática, para escamotear a afirmação do capitalismo novamente como projeto hegemônico no mundo.

Ao mesmo tempo essa ofensiva fortaleceu o avanço do projeto neoliberal. Assim, os anos 90 foram marcados pela destruição dos Estados nacionais e das máquinas estatais. Foi nesse período que ganhou força aquela visão contrária a tudo o que é público, do Estado como um elefante velho, portanto lento e pesado. Assim, em completa contradição com o mundo moderno, dinâmico que se tentava vender. Nesse sentido era preciso se livrar desse entulho e a onda de privatizações varreu boa parte dos países, em especial os ditos subdesenvolvidos. Ainda, esse processo expôs os países pobres, especialmente da América Latina e da África, a condição de extrema dependência e submissão diante das grandes potências. Isso acabou por destruir a economia, a identidade cultural e o orgulho nacional desses povos e nações. No Brasil a idéia vendida pela elite era que tudo aquilo que era nacional automaticamente era ruim. Portanto, construiu-se a idéia de um Brasil que podia ter sido e não foi, a eterna nação do futuro que nunca chegava.

Entretanto essas idéias estão ruindo. O início do século XXI é marcado pela inauguração de um próspero período de mudanças. Dessa forma os governos progressistas eleitos em toda América Latina provocaram uma onda mudancista em todo o continente. Aliado a isso veio a grande crise do sistema Capitalista mundial, em especial de seu modelo neoliberal. Esses dois processos colocaram em xeque a capacidade do Capitalismo em atender as demandas da Humanidade. Assim reacendeu o debate em torno da participação do Estado na economia e trouxe a cena do debate novamente a perspectiva socialista. Ainda, a história parece perseguir a todos. Os fatos históricos como a comemoração dos 50 anos da Revolução Cubana, dos 60 da Chinesa, dos 80 anos da crise de 29 entre outras datas históricas fortalecem essas idéias de um mundo mais justo, mais humano e colocam o socialismo como referencia para isso. Portanto não é de graça a intensa comemoração promovida pela grande mídia nacional e internacional dos 20 anos da queda do Muro de Berlim. Esta é, senão uma tentativa de desconstruir o imaginário socialista. Assim, tentam apresentar como estão felizes ou como progrediram as pessoas e países que não vivem mais com o Socialismo. O que eles escondem é a verdadeira opinião pública que contrapõe as idéias vendidas por essa mídia, conforme dados da recente pesquisa divulgada pela BBC e publicados nos portal Vermelho: “Só 11% dos entrevistados em 27 países considera que a economia capitalista funciona corretamente e 51% acha necessária mais regulação e reformas para a corrigir. (...) Uma maioria dos inquiridos em 17 dos 27 países defende uma maior regulação do mundo financeiro, sendo os brasileiros os mais favoráveis (87%), à frente dos chilenos (84%), franceses (76%), espanhóis (73%) e chineses (71%). (...) Dos entrevistados brasileiros (835 pessoas nas cidades de Belo Horizonte, Brasília, Curitiba, Goiânia, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo). A sondagem revelou que 64% defendem mais controle do governo sobre as principais indústrias do país e 87% defenderam que o governo tenha um maior papel regulando os negócios locais, enquanto 89% defenderam que o Estado seja mais ativo promovendo a distribuição de riquezas.”

Por fim, a queda do Muro de Berlim é o símbolo de um período marcado pela crise do modelo socialista. Entretanto deve ser visto, também, como o período que possibilitou um profundo processo de reflexão acerca dos erros e acertos da experiência socialista. Foi esse período que provocou o questionamento de modelos e dogmas para analisar de maneira crítica os ensinamentos deixados por esses que foram os primeiros passos do Socialismo. É como dizem os chineses toda crise de ser vista também como uma oportunidade.

Mateus Fiorentini "Xuxa" é presidente da UJS-RS

http://www.vermelho.org.br/rs/noticia.php?id_noticia=120120&id_secao=113


UJS vitoriosa na eleição do DCE UFPel

A chapa 2, "Quem vem com tudo não cansa" venceu a eleição para o DCE da UFPel (Universidade Federal de Pelotas) ocorrida nos dias 18 e 19 de novembro. A chapa vencedora, integrada pela UJS, JPT e JSB derrotou a atual situação, ligada ao PSol (chapa 1).

Após uma acirrada campanha, marcada por polêmicos debates e uma intensa mobilização da militância de ambos os grupos, a chapa 2 obteve uma incontestável vitória nas urnas, com 1810 votos contra 822 da Chapa 1. Com 91 nomes inscritos e uma lista de mais de 150 apoiadores, a coligação "Quem vem com tudo não cansa", conseguiu abranger os mais diversos cursos e setores da Universidade, um dos fatores decisivos para a vitória.

Destacou-se o papel da UJS que, no processo, priorizou política de articulação de apoios de importantes diretórios acadêmicos, o que se refletiu em votações expressivas, principalmente nos cursos de Enfermagem, Geografia, Economia, Administração e Engenharia Industrial Madeireira.

Entre as principais propostas para a nova gestão do DCE estão a que pretende aproximar a entidade dos estudantes através do projeto DCE itinerante, no qual os coordenadores ouvirão as reivindicações dos alunos em sala de aula, bem como as necessidades pontuais de cada curso e também confeccionando a carteirinha do DCE; e a realização já no início do próximo semestre do Congresso Estudantil dos alunos da UFPel, para juntamente com a comunidade acadêmica tirar as pautas de atuação a serem colocadas em prática durante a gestão e com o intuito de reformular o novo estatuto do DCE, já que o atual encontra-se completamente ultrapassado tendo sido elaborado ainda durante o período em que a ditadura militar oprimia o movimento estudantil no país.

“Para a UJS esta vitória representa uma significativa conquista política, pois coincide com um momento em que o ensino superior no Brasil está em franco processo de expansão e a UFPel está inserida dentro desse contexto, contabilizando atualmente cerca de 12 mil alunos e tendo a abertura de vários novos cursos”, ressalta Marcelo Dutra presidente municipal da União da Juventude Socialista em Pelotas.


Já para a acadêmica de Enfermagem Karen Jeanne Cantarelli, também integrante da UJS e coordenadora geral do DCE/UFPel, “esta vitória representa um tremendo avanço para o movimento estudantil dentro de nossa Universidade, queremos construir a partir de agora um gestão que de fato esteja voltada aos interesses dos estudantes, com pluralidade e representatividade, trazendo para dentro do DCE o debate de idéias que contribuam para solucionar as reais necessidades dos alunos e seus respectivos cursos”.

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

http://www.paulohenriqueamorim.com.br/?p=21576

Aécio chama jornalista da Globo de “caluniador vergonhoso”

3/novembro/2009 20:37

É tudo muito engraçado: ou ele processa o Aécio, ou o Aécio processa ele

É tudo muito engraçado: ou ele processa o Aécio, ou o Aécio processa ele

O Conversa Afiada reproduz trecho da colona (*) de Ricardo Noblat no Globo:

Aécio chama de ‘aleivosia’ o que dizem dele na internet

Recebi há pouco da assessoria do governador Aécio Neves (PSDB), de Minas Gerais, transcrição de entrevista coletiva concedida por ele hoje. Além de perguntas sobre sua possível candidatura à sucessão de Lula e um eventual apoio do PTB, houve esta:
Qual é a fala do senhor sobre tudo que está na internet?
- Isso é uma aleivosia tão grande. Eu me sinto, claro, pessoalmente ofendido por isso, mas prefiro até nem comentar para não validar algo tão distante da minha prática cotidiana. Sempre fiz política e vou continuar fazendo no patamar muito superior a esse. E o que eu posso dizer é que é uma calúnia vergonhosa.
Decifrando a pergunta: foi publicado em blogs e no twitter que Aécio, durante uma festa no Hotel Fasano, no Rio de Janeiro, na semana retrasada, empurrara e dera um tapa em Letícia, sua namorada.
Ele desmentiu a informação. Letícia também.

E reproduz também o que saiu no blog Bahia Notícias:

AÉCIO NEVES DESMENTE AGRESSÃO A NAMORADA
O governador mineiro Aécio Neves fez uma entrevista coletiva nesta terça e, em meio a perguntas sobre diversos temas, comentou as acusações feitas pela internet de que teria agredido sua namorada, Letícia, em um hotel de São Paulo. “Isso é uma aleivosia tão grande. Eu me sinto, claro, pessoalmente ofendido por isso, mas prefiro até nem comentar para não validar algo tão distante da minha prática cotidiana. Sempre fiz política e vou continuar fazendo no patamar muito superior a esse. E o que eu posso dizer é que é uma calúnia vergonhosa”, esclareceu. A acusação original partiu do jornalista esportivo Juca Kfouri, mas o tucano imediatamente negou o fato, assim como sua namorada

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Impeachment de Yeda é arquivado sem ter sido debatido

20 de Outubro de 2009 - 20h20

O governo Yeda Crusius (PSDB) fez valer sua maioria na Assembléia Legislativa para arquivar, por 30 votos a 17, o processo de impeachment da governadora proposto pelo Fórum dos Servidores Públicos. A base governista aprovou o parecer da relatora da Comissão Especial do Impeachment, deputada Zilá Breitenbach (PSDB), que decidiu pelo arquivamento sem ter realizado uma reunião sequer com os demais integrantes da comissão para debater os documentos que embasavam o pedido de afastamento.

A responsabilidade pelo arquivamento do processo de impeachment recai sobre o PSDB, PMDB, PTB, PP e PPS. Os deputados e lideranças desses partidos decidiram cerrar fileiras, tanto na Comissão do Impeachment quanto na CPI da Corrupção, para evitar que a Assembléia gaúcha seja um espaço de investigação das denúncias resultantes das operações Rodin e Solidária, que envolvem, segundo estimativa do Ministério Público Federal, um desvio de mais de 340 milhões de reais dos cofres públicos.

As razões que sustentavam o pedido de afastamento da governadora, e que não foram debatidas na comissão criada para tanto, eram as seguintes:

1) A governadora sabia dos acontecimentos no Detran

No processo de montagem do governo Yeda, foi mantido o esquema que teve origem no governo Germano Rigotto (PMDB). Conforme investigações do MP Federal, da Polícia Federal e depoimento à sindicância na Procuradoria Geral do Estado, diversas manifestações de envolvidos diretamente no processo se referem ao conhecimento e participação da governadora. Na CPI do Detran, em 2008, o ex-presidente do Detran, Flávio Vaz Netto, disse que não fez nada que não fosse do conhecimento da governadora, razão pela chegou a arrolá-la como testemunha de defesa.

A própria governadora, em entrevista de rádio no dia 17 de abril de 2008, corrobora esta afirmação, ao referir seu conhecimento acerca das mudanças no Detran e até mesmo da participação de Lair Ferst e suas empresas. Da mesma forma, a gravação realizada pelo vice-governador Paulo Feijó com o então Chefe da Casa Civil, César Busatto, testemunha o conhecimento da governadora em relação aos procedimentos adotados no Detran.

Além disso, no depoimento de Lair Ferst ao MP Federal, no início de 2009, estão descritos em detalhe mais 20 fatos graves envolvendo diretamente a governadora e seus assessores mais próximos, tanto no período anterior à eleição quanto no período imediato do seu governo. Com a sua exclusão do esquema, Lair Ferst passou a pressionar para recuperar a sua posição. Em meio a esse conflito, os protagonistas se referem diretamente à necessidade de mediação por parte da governadora. Durante a CPI do Detran, o principal argumento de defesa do governo consistia em afirmar que a governadora não tinha conhecimento do que estava acontecendo no Detran.

2) Mais do que saber, Yeda participou ativamente da reorganização do esquema quando passou de uma fundação para a outra.

O material disponibilizado pela Justiça Federal revela uma ação deliberada de governo no sentido de, inicialmente, viabilizar a organização do esquema, quando da substituição de uma fundação por outra. Há depoimentos e gravações, já divulgados, que revelam a intervenção da governadora neste sentido. Esse foi um dos principais motivos pelos quais a base do governo procurou obstaculizar os trabalhos da CPI do Detran (e segue fazendo o mesmo agora na CPI da Corrupção). Esse esforço pode ser constatado em interceptações telefônicas realizadas no decorrer da investigação, que traziam conversas entre agentes do governo e investigados na operação sobre os trabalhos da CPI. Além disso, houve também uma intervenção direta do centro do governo em um esforço explícito de beneficiar empresas supostamente envolvidas com o esquema delituoso do Detran. Estas ações se materializaram em atitudes pouco usuais na tramitação de procedimentos administrativos visando contratações por dispensa de licitação

3) A governadora não tomou qualquer atitude em relação as ações irregulares de seus assessores diretos, Walna Vilarins e Ricardo Lied (o que também caracteriza improbidade)


O chefe de gabinete da governadora, Ricardo Lied, foi flagrado em várias ações irregulares. Um exemplo disso foi sua intervenção no processo eleitoral municipal em Lajeado, onde ficou evidenciada a tentativa de utilização ilegal de informações sigilosas do sistema de segurança do estado para atacar adversários políticos, conforme gravações e denúncia feita pelo ex-ouvidor da Secretaria de Segurança, Adão Paiani. Outro exemplo foi a visita que fez, juntamente com dois delegados de polícia, à residência do ex-presidente do Detran, Sérgio Buchmann, quando propuseram a ele que avisasse o filho de uma operação policial que estava prestes a ser realizada. Por essa razão, Lied é alvo de uma ação civil pública pelo MP Estadual, acusado de violação de sigilo funcional.

A assessora da governadora, Walna Villarins Menezes, é uma das indiciadas no inquérito relativo à Operação Solidária, É acusada de corrupção passiva e formação de quadrilha. O ex-secretário da Transparência, Otaviano Brenner de Moraes, entregou à governadora, no dia 26 de junho, expediente com suas conclusões acerca das denúncias contra Walna Menezes, nas quais recomendava a realização de uma sindicância visando o afastamento da assessora. A governadora se negou a tomar qualquer iniciativa, o que também configura improbidade administrativa.

Fonte: Blog RS Urgente/ Marco Weissheimer

UJS-RS elege novo presidente e comemora os 25 anos





No último domingo, a UJS-RS realizou sua plenária estadual. Com a participação do presidente nacional da entidade, Marcelo "Gavião", o encontro serviu para refletir sobre o momento crítico que o estado vive com a implementação do projeto neoliberal, discutir os desafios até o final do ano, com destaque para a mobilização rumo ao 38º Congresso da UBES, e fazer alterações na direção local. O militante Mateus Fiorentini, conhecido como "Xuxa", foi eleito presidente, assumindo no lugar de Edison Puchalski, que desempenhará outras tarefas políticas no próximo período. "Xuxa" tem 24 anos, é estudante de História da UFRGS e militante da UJS desde 2002.

De noite, no Barato Bar, em Porto Alegre, os 25 anos da União da Juventude Socialista (UJS) foram comemorados em grande estilo. A festa teve participação de novos e antigo militantes, que relembraram muitas histórias e lutas políticas, tendo como acompanhamento o som de Violeiro só.

O presidente estadual eleito, Mateus Fiorentini "Xuxa", em seu discurso, recordou as diversas lutas e conquistas da UJS nesse quarto de século. A estudante de psicologia da Ulbra/Canoas Gabriela Freitas emocionou os presentes com o poema chamado "Uma Moça com a cara do Novo Brasil" (leia abaixo), escrita pelo também militante Igor Corrêa Pereira.

http://www.ujs.org.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=433:ujs-rs-elege-novo-presidente-e-comemora-os-25-anos&catid=38:ultimas&Itemid=100

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

UJS 25ANOS

SE CHAMANDO JOÃO CARLOS HAAS SOBRINHO É REOGANIZADA A UEE/RS



Na última sexta-feira(09) no auditório da Economia da UFRGS, teve início o Congresso da União Estadual dos Estudantes do Rio Grande do Sul(UEE/RS). Na ocasião foram apresentadas uma série de propostas das quais os movimentos participantes defendiam.
Além da discussões e debates também foram apresentadas, a carta FORA YEDA, o documento de reorganização da entidade estadual dos gaúchos, o novo estatuto e finalmente a nova coordenação, composta pela unificação das chapas representadas por Rodrigo, da tese Da Unidade vai Nascer a Novidade, e Pulga do Movimento Kizomba. Ainda aprovou-se que essa UEE terá como patrono o militante do movimento estudantil, assassinado na Guerrilha do Araguaia João Carlos Haas Sobrinho.

O Congresso contou com a presença do presidente da UNE, Augusto Chagas, dos deputados estaduais Raul Carrion(PCdoB), Ronaldo Zulke(PT), do presidente municipal do PCdoB/POA, Fernando Niedersberg além de dezenas de estudantes, representantes de DA's,CA's e DCE's de todo o Estado.

A UEE tem o papel de potencializar a luta dos estudantes gaúchos na busca das transformações das universidades, tornando-as mais populares e democráticas, também é dever da entidade fortalecer o movimento estudantil que ao longo de sua história foi capaz de construir diversas conquistas para o desenvolvimento do RS.

Com Liane Priscila do blog http://apenasmorenaflor.blogspot.com/

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

UMA MENINA COM A CARA DO NOVO BRASIL!! por Igor Correa de Fato

Que força estranha é essa que te leva a cantar, com essa voz tamanha, há 25 anos? Voz que cruza o país-continente nos diferentes sotaques, cores, humores e timbres da juventude? UJS é menina pouco mais velha que a nova democracia brasileira. Quando nasceu, chorou, berrou, e não deixou ninguém dormir enquanto não saíram as diretas. Menina arteira, tava no meio daquele povo que acendeu a esperança e apagou a escuridão dos tempos de torturas e matanças. Derreteu chumbo, mal sabia caminhar. Cismou que ia votar já aos dezesseis. Moleca atrevida, brincava de tinta, pintava a cara e dizia “Fora Collor!” Inventava brinquedos que os adultos só olhavam e riam,” imagina brincar de jovem curupira, que doidinha...” Mas ela não fazia caso, se encarapitava no alto de uma seringueira para dizer que a Amazônia é do Brasil, sem nem ouvir muito adulto que dizia: “desce daí menina e vai pra dentro!”. Ela não ouvia. Teimava. Diziam pra ela: “deixa de história menina, que invenção é essa de socialismo? Não vê que acabou garota? Vai estudar e ser alguém!” Ela foi estudar. Mas nunca deixou de história. Entrou em tanta escola, mas tanta escola, que escola só ela já não queria mais. Já tava na universidade. Fez da classe palanque, botou pilha, não deixou mais nada como era antes. Quando era moda “deixar de história”, história ela fazia e o tempo não parava. E ela rodava junto com a roda do mundo. E o mundo que fez de si tanta mesmice, foi enjoando de sempre a mesma coisa, dessa coisa monótona que é o pensamento único neoliberal. E o mundo foi se colorindo quase tanto quanto a alma daquela menina brasileira, que já era multicores. “Outro mundo é possível”, foi o sussurro que virou berro. A menina ficou fora dessa? Tava lá na linha de frente. Tardou mas não falhou. Na Latino-América foi tanta cor que ninguém conhecia antes, como a cor dos índios tão rebeldes que teimaram em existir, e tanto fizeram que viraram presidente. E voltaram a falar em Bolívar para os lados da Venezuela, e já não tinha parte que o povo não saísse pra rua para cantar a esperança. E a esperança venceu o medo. O operário virou presidente. A menina virou ministro e deputada. E um novo Brasil começou a florescer, como jamais se tinha visto. Um Brasil forte, rumo socialista, começou a se desenhar. E a menina, que antes só sonhava ser feliz, começou a traçar primeiros traços de felicidade real A menina se fez moça. Moça linda, alegre, corajosa, energética. O rosto dela é o rosto do novo Brasil. Brasil que já se anuncia na cara pintada do estudante, no suor consciente do trabalhador, na calça larga do grafiteiro, na coragem da mulher que não se cala, do negro que não baixa os olhos, do gay que exige respeito, e em tantos outros símbolos e gestos ainda não evidentes, mas que vão se evidenciando, emergindo à tona. Tanto ainda por fazer. Moça que só tem a vida toda para viver. Cresce, ganha a estrada, arrasta toda a massa. Não vamos deixar ninguém atrapalhar a tua passagem. A hora é essa vamos ganhar. A estrada vai além do que se vê, mas se o presente é de luta o futuro nos pertence. Os meninos e o povo no poder nós queremos ver, só há tempo a ganhar. Somos tão jovens. Não somos mais só futuro. Nós dizemos presente. Prepara uma avenida que a gente vai passar. Quem duvida do que ela pode, não conhece o que ela fez. Brasil mostra tua cara socialista. Cara de moça bonita que desaprendeu a calar.

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

MERCEDES SOSA VIVE!!!

Mi tierra están cambiando! Denunciaste! Denunciaste as opressões a todos os povos da América Latina. Defendeste a identidade a e união de todos os latino-americanos contra o Imperialismo.


Mercedes! Tu, que muito visitaste este estado latino-americano que é o Rio Grande do Sul, entregaaste a tua voz para as vozes dos trabalhadores, para os povos oprimidos e subjugados da América Latina.


Mas Mercedes, tua voz contou a vida dos explorados deste lindo continente. e disse: "trabajando duramente, trabajando sí,trabajando y no le pagan, trabajando sí,trabajando y va tosiendo, trabajando sí,trabajando y va de luto, trabajando sí..."Pois, os povos latino-americanospassaram séculos trabalhando. E séculos trabalhando em condições adversas. Porém, tua voz nos fez seguir trabalhando. Na tua voz residiam os sonhos de libertação de Sandino, de Zapata, De Tupac Amaru, Che Guevara, Allende, Mariáteghi, Sepé Tiaraju! E esses lutadores, Mercedes, disseram: TAMOIO - ESSA TERRA TEM DONO -.



E esses povos, Mercedes veêm um novo horizonte. Inspirados por tua voz criaram Evos Morales, Hugos Chaves, Rafaeis Correa, Lulas e tantos outros combatentes de tua voz.




Mercedes! Nos deixaste de corpo presente. Mas fique tranquila, pois tua voz e tua poesia brilha nos olhos e nos corações dos revolucionários de todo o mundo. Eseguirá dizendo e ensinando as futuras gerações que para construir os socialismo é preciso, a cada dia, dizer "Gracias a la Vida que me ha dado tanto!"


VIVA MERCEDES SOSA!

VIVA A LUTA POR LIBERTAÇÃO DE TODOS OS POVOS!

VIVA O SOCIALISMO!

ATO DE SOLIDARIEDADE AOS POVOS APROVA MARCHA AO CHILE!

Na última sexta-feira, 02 de outubro a UJS participou de um ato cultural no Mercado Público em POA em solidariedade ao povos pela paz e pela nao violência promovido pela Marcha Mundial pela Paz.
No evento estiveram presentes diversas organizações das mais diversas etnias e frentes de luta pela Paz Mundial. O evento contou também com a presença de diversos artistas como Dante Ramon Ledesma que participou do ato defendendo a autonomia de todos os povos latino americanos. Para o representante da UJS no ato, Mateus Fiorentini - o Xuxa, "em tempos de tanta agressividade do Imperialismo no Iraque, instalando bases militares na Colômbia e reativando a quarta frota maritma, além do golpe contra a democracia em Honduras a bandeira mais revolucionária que podemos lançar é a bandeira da Paz" .

Segundo o Diretor da UBES no RS, Diego Hamester "os estudantes estão lado a lado daqueles que defendem a autodeterminação dos povos. Aqui temos uma luta importante a travar em defesa de nossa autodeterminação em torno do Pré-sal e da Amazônia".

Ainda foi aprovado no encontro uma marcha das entidades até a Cordilheira dos Andes passando por Montevideo e Buenos Aires, construindo atividades em defesa a auto determinação dos povos de todo o mundo.

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

De braços abertos é o Rio de Janeiro, 2016 é o sonho brasileiro

Parabéns, Rio de Janeiro! Parabéns, Brasil! E - por que não? - parabéns UJS, afinal o ministro que ajudou a construir essa vitória é Orlando Silva, ex-presidente da entidade.

A cidade do Rio de Janeiro acaba de ser escolhida sede das Olimpíadas de 2016. O anúncio aconteceu em Copenhagen, Dinamarca, nesta sexta-feira, pouco depois das 14h. A vitória brasileira veio por 66 votos a 32.

É a primeira vez que os Jogos acontecerão no América do Sul. Em apresentação emocionante, a delegação brasileira ressaltou o ineditismo, o potencial do país, o apoio popular e o legado que a maior competição esportiva poderia deixar por aqui. Para conseguir tal feito, a Cidade Maravilhosa deixou para trás Chicago (EUA), Tóquio (Japão) e Madri (Espanha).

A despeito da presença de Barack Obama, a primeira cidade a sair do páreo foi Chicago. Logo depois, foi a vez de Tóquio, deixando a disputa definitiva para brasileiros e espanhóis.

O presidente Lula, muito emocionado, falou que o que pesou a favor da Rio de Janeiro foi a forma apaixonada como o povo abraçou o desafio olímpico e que esta é uma vitória do Brasil e da América do Sul. "Prevaleceu a razão, a paixão e a verdade. O Brasil merecia fazer uma Olimpíada", disse.

Depois, na coletiva de imprensa, Lula brincou com o fato de ter ganho de Obama. "Eu convidei o Obama a vir aqui na reunião do G20 e ele disse 'não, minha mulher vai e ela é boa nisso. Uma mulher pode sensibilizar mais os homens'. Eu já disse 'Obama, se você não for eu vou ganhar', ele veio e quis Deus que o Rio ganhasse". O "Rio de Janeiro merece, o Brasil merece e, sobretudo, o povo brasileiro merece", finalizou o presidente.

Lula também dedicou as Olimpíadas à juventude brasileira. "Durante décadas eles não tiveram chance e agora terão. Durante muito tempo a juventude brasieira foi esquecida e a partir de agora é diferente".

A UJS parabeniza todo o povo brasileiro por mais essa vitória! Parabéns, Rio de Janeiro! Parabéns, Brasil! E - por que não? - parabéns UJS, afinal o ministro que ajudou a construir essa vitória é Orlando Silva, ex-presidente da entidade.

Fernando Borgonov

www.ujs.org.br

Enquanto uns homens velhos se borram nas calças um guri dá o exemplo de luta pela democracia, pela liberdade e pela justiça!!!
FORA GOLPISTAS DE HONDURAS!!!
ABAIXO MICHELETTI!!


DCE da FAPA de cara nova!!


PDF Imprimir E-mail

Três chapas concorreram ao DCE das Faculdades Porto Alegrenses: “Agora só Falta Você”, composta pela UJS, DS e estudantes independentes; “Nossa voz uma só nota” (PSOL) e a chapa 3, “Agora é a nossa vez” (PSTU e anarquistas). Como já faz parte da história do movimento estudantil da FAPA, as eleições foram acirradas. O confronto foi intenso, o que acendeu os sentimentos golpistas de parcela do movimento estudantil que tentaram impugnar a chapa 1 (“Agora Só Falta Você”). “O voto dos estudantes precisa ser respeitado e fizemos tudo o que foi necessário para garantir a legitimidade e inviolabilidade do processo. Isso é prejudicial às entidades do movimento. Por isso, é preciso avançar na consolidação da democracia nos DCEs e DAs”, alertou a vice-RS da UNE, Eriane Pacheco. Os votos foram apurados nesta segunda-feira e confirmaram a vitória da chapa “Agora Só Falta Você”.

Conforme afirma o estudante de História e presidente eleito do DCE da FAPA, João Gabriel do Couto, “a nova gestão do DCE pretende reorganizar o Diretório Central de Estudantes, lutar pelo ProUni na FAPA, cobrar pesquisa e extensão, lutar contra o aumento abusivo de mensalidades. Vamos construir um DCE democrático, um DCE em cada sala de aula para ampliar a participação”. João Gabriel é membro da Direção Municipal da UJS de POA.

Os resultados das eleições foram: Chapa 1 “Agora Só Falta Você” – 286 votos; Chapa 2 “Nossa Voz uma só nota” – 203 votos e Chapa 3 “Agora é a nossa vez” – 147 votos. A FAPA é uma Instituição de seis mil estudantes distribuídos em vários cursos como História, Administração, Ciências Contábeis, Pedagogia, Letras, entre outros. Ainda é caracterizada por ser uma Faculdade de trabalhadores e tem sua história marcada pela intensa atividade estudantil.

De Porto Alegre,
Mateus Xuxa

Sempre Pink!